Buscando a notícia para você desde 2007 - Ano 10 -

7 coisas sobre o macarrão instantâneo que talvez você não sabia.

Você é um dos muitos fãs do macarrão instantâneo? Conhecido aqui no Brasil, principalmente, pela marca Nissin Miojo, o macarrão do tipo lamen (ou ramen) atualmente serve até como matéria-prima para criar sanduíches e atédonuts.

Rápido, fácil, mas não uma primazia da gastronomia, o macarrão instantâneo é a salvação de muitos estudantes que passam a morar sozinhos e tem que se virar para se alimentar de forma barata, de quem tem pressa ou de quem não tem o mínimo jeito na cozinha.

Se você faz parte dessa turma, confira baixo 7 coisas sobre esse alimento que talvez você ainda não saiba:

1 – O primeiro macarrão instantâneo era considerado um item de luxo

Embora hoje em dia o lámen seja considerado um item baratinho, no passado, ele costumava ser muito caro no Japão.

Momofuku Ando, o criador dos produtos ramen Nissin, inventou o "Chicken Ramen", um lanche instantâneo à base de macarrão que podia ser consumido de forma fácil e em qualquer lugar, em 1958, quando notou que a comida era escassa após a Segunda Guerra Mundial.

Mas quando o produto chegou às prateleiras dos supermercados japoneses, ele era visto como muito caro, pois os noodles frescos eram vendidos por cerca de 1/6 do preço do Nissin.

2 – É o item mais vendido em uma prisão norte-americana



O comissário da prisão de Rikers Island, em Nova York, deve sempre se certificar de que o estoque de Cup Noodles esteja completo no local. O produto é vendido no presídio por 35 centavos e, de acordo com o New York Post, é o alimento mais popular por lá.

Os guardas fornecem água quente aos prisioneiros para eles prepararem os seus copinhos de macarrão. Porém, algumas vezes, os presos descartam o macarrão e usam os pacotinhos de tempero para dar mais sabor à comida sem graça da prisão.

3 – Apenas alguns sabores são, de fato, vegetarianos

Pode ser difícil de acreditar que pacotinhos de temperos dos macarrões sabor frango ou carne realmente contêm substâncias de origem animal, mas eles têm. De acordo com o The Huffington Post, o sabor frango (da Nissin americana) inclui gordura de frango desidratada, da mesma forma que o sabor carne também tem gordura bovina em pó.
4 – A China come macarrão instantâneo mais do que qualquer outro país
Apesar de ser uma invenção japonesa, a demanda global da China por macarrão instantâneo é a mais alta do mundo, de acordo com Associação Mundial do Macarrão Instantâneo (sim, isso existe!). Em 2013, a China consumiu mais de 46 bilhões de pacotes de macarrão. A marca chinesa Tong-Yi é vendida em quase toda parte no país, desde grandes hipermercados até bancas de rua.

5 – De acordo com uma pesquisa, os japoneses consideram o lámen como a melhor invenção deles

Além de toda a tecnologia que o Japão forneceu ao planeta, em 2000, o Instituto de Pesquisa Fuji declarou que os japoneses são muito orgulhosos por introduzir macarrão instantâneo ao mundo. “Eles se sentem dessa forma porque macarrão instantâneo realmente representa o legítimo ‘Made in Japan’, não só por ser um alimento nacional, mas global”, disse o Instituto em um comunicado na época.

6 – Há um museu no Japão dedicado ao Cup Noodles

O chamado Museu Cup Noodles é dedicado à história do produto e da mente de Momofuku Ando. O museu apresenta uma míni-fábrica, onde os visitantes podem fazer suas próprias misturas de lamen, entre outras atrações.

7 – Macarrão instantâneo no espaço

Momofuku Ando queria fazer um macarrão prático e fácil de comer não só na terra, mas também no espaço e ele conseguiu em 2005.

Dois anos antes de morrer, Ando criou o "Space Ram", um macarrão embalado a vácuo feita em pedaços bem pequenos (para que eles pudessem ser preparados sem a utilização de água fervente) e um caldo mais grosso (para evitar dispersão). O produto foi feito especialmente para a viagem do astronauta japonês Soichi Noguchi no ônibus espacial Discovery.

Momofuku Ando criador do Macarrão Instantâneo 

Batom e gloss demais podem matar



Pesquisadores da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA) analisaram diversas amostras de batom e gloss e constataram que os mesmos contém altos níveis e perigosos de chumbo, cádmio, alumínio e outros metais que podem fazer mal à saúde. Pelo fato de o batom e gloss serem usados na boca, não se dá conta que os mesmo podem ser ingeridos podendo causar câncer de estômago e manganês (o que ataca o sistema nervoso), entre outros. Os pesquisadores detectaram chumbo em 24 das 32 marcas analisadas e, embora os níveis estejam abaixo do mínimo “seguro” para adultos, é recomendável deixar maquiagem longe de crianças, já que não há nível de exposição seguro para elas.

“Alguns dos metais tóxicos estão presentes em níveis que podem ter efeitos a longo prazo”.

Uma vez nos lábios, batom e gloss são pouco a pouco absorvidos através da pele ou ingeridos sem a pessoa se dar conta. Mesmo usados em quantidades considerados aceitáveis (24 mg/dia), esses cosméticos podem expor a pessoa a níveis perigosos de cromo (que pode causar câncer de estômago) e manganês (que pode atacar o sistema nervoso), entre outros.

Os pesquisadores detectaram chumbo em 24 das 32 marcas analisadas e, embora os níveis estejam abaixo do mínimo “seguro” para adultos, é recomendável deixar maquiagem longe de crianças, já que não há nível de exposição seguro para elas.

Não é o caso, de acordo com os autores, de jogar fora batons e embalagens de gloss, mas de manter cautela em relação a esses produtos.

Para não generalizarmos o não uso do batom, informamos que há opções de produtos orgânicos livres de uma série de constituintes agressivos, como os da The all natural.

Orgânicos ou não, aconselhamos : evite o uso excessivo.

Você sabia ? Agora as mulheres já podem fazer xixi em pé


Esta matéria fez tanto sucesso em nosso jornal no domingo, rolou na rede, mas alguns leitores não conseguiram  ler. Fique tranquilos que estamos re-pulicando agora. 

Pois é, senhoras e senhores! Quando você acha que não faltava mais nada para ser inventado no planeta Terra, eis que surge algo mirabolante para o mercado feminino, fazendo com que a mulherada agora possa fazer xixi em pé — sim, é isso mesmo.

A geringonça, chamada de “Stand Up”, foi inventada foi uma empresa situada em San Francisco, nos Estados Unidos. De acordo com os criadores do aparato mirabolante, essa espécie de “funil pink” é o primeiro dispositivo descartável, biodegradável, que cabe na bolsa e permite as mulheres urinar de pé, sem maiores dificuldades e incômodos.




Essa ideia inusitada surgiu na cachola de uma própria mulher, Sarah Grossman, graduada na prestigiada Universidade de Stanford e ex-integrante do escritório da primeira-dama americana. De acordo com ela, a intenção foi elaborar um produto simples, mas que ajudasse proteger as mulheres de contraírem doenças em banheiros públicos — quase sempre totalmente imundos.



Se você gostou da ideia, pode comprar o seu “Stand Up” na loja oficial do produto, em que um pacote com seis unidades custa US$ 6. Será que a moda pega por aqui?