Buscando a notícia para você desde 2007 - Ano 10 -

Você sabia que circula um Email falso contra medicamentos ?. Tire informação com um médico

Vários boatos surgem em muitos momentos de produtos que trazem problemas para a saúde. Alguns meses circulou na internet que o esmalte de Bruna Marquesine estaria fazendo as unhas caírem.

O ultimo foi de que alguns medicamentos que combatem a gripe poderiam causar Hemorragia Cerebral e levar a morte. Antes de ficar nervoso com "boataria" procure um medico e tire informações.

Um suposto Medico colocou uma mensagem difundida via e-mail causando confusão entre consumidores e levantado falso alarde sobre os medicamentos à base do princípio ativo Fenilpropanolamina, substância usada principalmente em antigripais. Tem circulado na internet um texto assinado por um médico de São Paulo alertando para a determinação da Anvisa de proibir a fabricação, distribuição e venda desses medicamentos.

A Agência informa que a Fenilpropanolamina está proibida desde novembro de 2000, por meio da Resolução - RDC nº 96, de 8 de novembro de 2000. Não há motivo para alarde e preocupação uma vez que a Anvisa já tomou todas as providências necessárias e a substância não faz mais parte do mercado farmacêutico brasileiro.
A determinação suspende, como medida de segurança sanitária, a fabricação, distribuição, comercialização dos medicamentos que contenham em sua fórmula, isolada ou associada, a substância Fenilpropanolamina e seus sais.

A mensagem lista uma série de medicamentos, como Naldecon, Bernadryl e Descon, amplamente utilizados pela população, inclusive por crianças. O e-mail também menciona o risco de morte por aqueles que estão usando a referida medicação. A Agência destaca que a divulgação de informações desse tipo deve ser cuidadosa e precisa para evitar preocupação desnecessária por parte da população.

Na época, os fabricantes tiveram 30 dias para recolher os medicamentos que continham a substância. Os laboratórios que optaram por manter a marca comercial de seus produtos foram obrigados a modificar a fórmula e, portanto, retiraram a substância dos medicamentos em questão. A Fenilpropanolamina que foi associada a reações adversas nos Estados Unidos, como derrame cerebral, não existe mais no Brasil.

O que esse medico deveria fazer é instruir as pessoas a procurarem um medico antes de se auto medicar.

A morte prematura do rei do pop foi atribuída a uma overdose de remédios que Michael Jackson tinha tomado horas antes de dormir.

O que aconteceu com o cantor é apenas um exemplo dos riscos que os medicamentos apresentam, caso sejam mal administrados.

Para Camila Costa, professora do Departamento de Farmácia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o maior problema está no excesso.

“Medicamentos como anti-inflamatórios, analgésicos, relaxantes musculares e antibióticos são perigosos se usados em grandes quantidades, geralmente acima do limite recomendado pela bula”, informa.
Consumo arriscado

Por isso, engana-se quem acredita que apenas os remédios que necessitam de receita são perigosos. O uso indiscriminado dos fármacos pode trazer danos consideráveis à saúde, mesmo uma simples aspirina em doses acima do recomendado. Até complexos vitamínicos ingeridos por muitos anos em demasia apresentam riscos ao paciente.

Mas com a correria do dia a dia, fica impossível procurar um médico toda vez que sentimos alguma dor. Camila recomenda aos pacientes que procurem sempre pelos farmacêuticos.

“Apesar desses profissionais não poderem fazer um diagnóstico, eles podem oferecer uma medida paliativa para tentar solucionar o problema daquele momento”, completa.

Automedicação

A ansiedade pela cura, a dificuldade de acesso de parte da sociedade aos serviços públicos de saúde e a falta de informação a respeito da doença podem ser descritos como fatores que colaboram para a automedicação.

Para Camila, isso nem sempre é ruim, mas é necessário consultar um médico caso o problema persista. De acordo com um editorial da Associação Médica Brasileira, a automedicação é um risco enorme, pois pode mascarar diagnósticos na fase inicial da doença.

Por isso, a palavra-chave é bom senso. “É importante ressaltar que o uso contínuo de qualquer medicamento pode causar tolerância no organismo e não ter a ação que deveria” ressalta Everton Dombeck, médico cardiologista especialista em medicina paliativa.

Confira uma lista que preparamos de alguns medicamentos aparentemente inocentes, mas que podem trazer problemas para a sua saúde caso sejam usados de forma incorreta.

1. Vitaminas

Qual vitamina você vai querer, A, B, C, D ou E? Peça pela letra! Bom, não é bem assim. Entrar na farmácia e escolher entre as diversas combinações disponíveis para venda não é o caminho certo para tentar suprir deficiências de organismo. “Milagres são prometidos por complexos vitamínicos, mas seu consumo pode representar mais riscos do que benefícios”, explica Camila.

Se a quantidade ingerida de vitaminas é muito grande ou se a pessoa apresenta problema nos rins, pode ser que o excesso ingerido não consiga ser eliminado pelo corpo. Isso leva ao acúmulo de vitaminas no organismo, chamado de hipervitaminose. Essa condição pode trazer riscos à saúde, como vômitos, diarreia, problemas no fígado, arritmias, osteoporose, perda de cabelo, irritabilidade, fraqueza muscular e inúmeros outros sintomas.

Além disso, as vitaminas podem aumentar o risco de morte, segundo um estudopublicado pela Associação Médica Americana. A ingestão de complementos que contenham vitaminas A, E ou betacaroteno está ligada a um aumento de 5% nos riscos de mortalidade em um grupo de cerca de 181 mil pessoas.


2. Dipirona

A dipirona sódica é um medicamento que é utilizado principalmente como analgésico e antitérmico. A droga permaneceu disponível mundialmente até a década de 70, quando foi descoberto que havia risco de ela causar agranulocitose, uma doença muito perigosa e potencialmente fatal.

Também conhecida como agranulocitopenia, a agranulocitose é uma doença aguda do sangue, caracterizada pela ausência de leucócitos granulosos. Estas células são as principais barreiras de defesa contra as infecções, sendo assim, aumenta o risco do paciente contrai-las.

Desde então, alguns países como Estados Unidos, Japão, Austrália, e grande parte dos que integram o continente europeu, baniram o medicamento. No Brasil, a dipirona é o analgésico e antitérmico mais usado, mas entrou na lista de remédios perigosos. 


3. Aspirina

Para a população em geral, a aspirina é um medicação banal, que pode ser usada sem muito critério. Mas ao contrário do que a maioria pensa, ela é uma droga que não está isenta de efeitos colaterais e nem mesmo de reações alérgicas.

Milhares de pessoas tomam aspirina todos os dias para prevenir ataques do coração e derrames ou ainda para diminuir o risco de desenvolver um câncer. Entretanto, um estudo feito por pesquisadores de Londres mostra que esse medicamento pode não ser tão seguro, dado que seu uso contínuo pode trazer mais problemas do que benefícios.

Pela alteração na formação de plaquetas, a aspirina dificulta a formação de coágulos em nosso corpo. Esse fato pode provocar hemorragias, desde leves até severas. Por esse mecanismo, a formação de um trombo vascular pode ser evitada, mas em seu lugar ocorrer um sangramento que pode provocar um acidente vascular de maior gravidade. Além disso, os acidentes vasculares cerebrais hemorrágicos são mais frequentes quando o paciente está recebendo o medicamento.

4. Anticoncepcional

Um estudo divulgado em novembro do ano passado pela Food and Drug Administration (FDA), a agência reguladora de remédios dos Estados Unidos, mostra que existe um risco maior de trombose venosa em mulheres que tomam anticoncepcional contendo o hormônio drospirenona.

As usuárias de anticoncepcionais orais apresentam até quatro vezes mais chances de apresentarem trombose venosa profunda quando comparadas à população em geral. Esta doença possui como complicação o tromboembolismo pulmonar, que é uma afecção grave com alto índice de mortalidade.


5. Paracetamol

Consumir uma dose um pouco acima da recomendada do analgésico paracetamol por um longo período de tempo – mesmo que apenas por uma questão de dias – pode causar graves danos à saúde, de acordo com pesquisadores ingleses.

Eles descobriram que muitas pessoas que usam os comprimidos contra dor não percebem quando tomam mais do que o permitido, e elas não se dão conta dos danos causados pelo consumo excessivo do remédio ao fígado.

Ingerir paracetamol em excesso conduz à “overdose escalonada”, que pode ocasionar problemas no fígado e cérebro, além da necessidade de diálise ou ajuda para respirar. Aumentam também as chances de morte devido a estas complicações.

6. Antibiótico

Os antibióticos são venenos seletivos, que matam bactérias específicas sem afetar as células do nosso corpo. Mas seu uso indiscriminado é um problema de saúde muito sério.

O uso imoderado favoreceu o contato de diversas bactérias com múltiplos antibióticos, as quais, devido aos seus mecanismos de defesa, sofreram alterações (mutações) para conseguir conviver com os medicamentos, tornando-se resistentes. Ou seja, as bactérias apresentaram, progressivamente, sinais de resistência e até mesmo de indestrutibilidade aos antibióticos.

Isso quer dizer que o uso abusivo pode fazer com que bactérias em seu cor
po tornem-se imunes aos antibióticos. Mais de 25 mil pessoas morrem por ano na Europa por causa de microrganismos resistentes.

Aqui o risco é duplo, pois prejudica a sua saúde e de toda humanidade. O uso generalizado ou incorreto deste tipo de medicamento pode fazer a raça humana regressar à primeira metade do século XX, quando as doenças infectocontagiosas eram as grandes responsáveis pela taxa de mortalidade.

Medicamentos são produtos importantes para a sua saúde, mas também são produtos de risco. Por isso, consulte sempre um profissional antes de ingeri-los. E nunca se esqueça: a diferença entre o remédio e o veneno está apenas na dose.

Você sabia que já existe uma calça jeans que não precisa ser lavada.

Existem certas calças jeans que são parecidas com qualquer outro par de jeans que você já tenha visto: escuros, corte fino nas pernas, ajuste perfeito no corpo. 

O tipo de jeans que você poderia encontrar em qualquer loja de departamento.

Mas, ao contrário de outras calças jeans, este par é feito com uma essência de perfume de framboesa. 

Você só precisa esfregar para que o cheiro da fruta fique no ar, sem que seja necessário lavar a peça. Isto é incrível!

A calça é feita pela marca Naked & Famous Denim, uma das empresas mais loucas de jeans do mundo. O efeito de esfregar e sentir o perfume, criado para esta calça jeans, usa uma camada de microcápsulas que contêm um pouco de perfume, que é colado na superfície dos jeans por meio de um processo semelhante a um cozimento.

É só esfregar a calça e o aroma é liberado. O que é ainda mais louco é que o cheiro de framboesa funciona mesmo após lavagens (você pode lavar a calça até 5 vezes e ela ainda estará com cheiro fresco).

“Estou animado com a possibilidade de nunca mais ter que lavar meus jeans. Quando ele começar a cheirar, vou apenas esfregá-lo como um louco para liberar o cheiro agradável”, disse um cliente da empresa.

Esta calça está sendo vendida a $ 150.


Fonte: Gizmodo.com

Atenção mulheres : Você sabia que Batom demais pode matar?


Pesquisadores da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA) analisaram diversas amostras de batom e gloss e constataram que os mesmos contém altos níveis e perigosos de chumbo, cádmio, alumínio e outros metais que podem fazer mal à saúde. Pelo fato de o batom e gloss serem usados na boca, não se dá conta que os mesmo podem ser ingeridos podendo causar câncer de estômago e manganês (o que ataca o sistema nervoso), entre outros. Os pesquisadores detectaram chumbo em 24 das 32 marcas analisadas e, embora os níveis estejam abaixo do mínimo “seguro” para adultos, é recomendável deixar maquiagem longe de crianças, já que não há nível de exposição seguro para elas.

“Alguns dos metais tóxicos estão presentes em níveis que podem ter efeitos a longo prazo”.

Uma vez nos lábios, batom e gloss são pouco a pouco absorvidos através da pele ou ingeridos sem a pessoa se dar conta. Mesmo usados em quantidades considerados aceitáveis (24 mg/dia), esses cosméticos podem expor a pessoa a níveis perigosos de cromo (que pode causar câncer de estômago) e manganês (que pode atacar o sistema nervoso), entre outros.

Os pesquisadores detectaram chumbo em 24 das 32 marcas analisadas e, embora os níveis estejam abaixo do mínimo “seguro” para adultos, é recomendável deixar maquiagem longe de crianças, já que não há nível de exposição seguro para elas.

Não é o caso, de acordo com os autores, de jogar fora batons e embalagens de gloss, mas de manter cautela em relação a esses produtos.

Para não generalizarmos o não uso do batom, informamos que há opções de produtos orgânicos livres de uma série de constituintes agressivos, como os da The all natural.

Orgânicos ou não, aconselhamos : evite o uso excessivo.

Você sabia qual o país mais antipático do mundo?

Uma pesquisa realizada pelo site Skyscanner, um comparador de preços de passagens e de hospedagens da internet, mostrou os países mais “mal-educados” do mundo. De acordo com o levantamento, essas nações são as que possuem os moradores com atitudes mais grosseiras em relação aos turistas e ao convívio social com os próprios conterrâneos.

O resultado da pesquisa apontou que a França é o país mais antipático do mundo, fato que realmente não é nenhuma novidade. Em contrapartida, o Brasil, os países caribenhos e os filipinos ficaram entre as nações mais simpáticas.

A pesquisa foi feita com 1.200 pessoas. Os franceses registraram 19% dos votos negativos. O Brasil registrou apenas 0,08% das críticas.

Logo após a França estão Rússia, com 16,6%, e Reino Unido, 10,4%. Confira o ranking das nações mais mal educadas do mundo:

1.França 19.2%

2.Rússia 16.6%

3.Reino Unido 10.4%

4.Alemanha 9.9%

5.China 4.3%

6.EUA 3.3%

7.Espanha 3.1%

8.Itália 2.3%

9.Polônia 2.2%

10.Turquia 2.1%

O Brasil ficou na posição de número 20 do ranking


Texto : Juliana Miranda
Fonte : Pesquisa Site Skyscanner
Foto   : Turismo na França